Júlia Rabello
   
  MENU
 
 
 
 
 

 
Um Homem Célebre
Homem Célebre
  Homem Célebre
"Um Homem Célebre" de passagem pelo CCBB






Com direção de Pedro Paulo Rangel, texto e composições de Wladimir Pinheiro, o conto “Um homem célebre”, de Machado de Assis, foi transformado em um musical. A trama gira em torno do Maestro Pestana, Rodrigo Lima, um compositor obcecado por criar uma obra prima da música erudita, mas que tem mesmo talento para o popular, e compõe compulsivamente polcas que fazem sucesso entre o povo de toda a cidade. O Maestro vive toda sua vida tentando negar a habilidade que o envergonha e dividido entre o sublime e a vulgaridade.A solução de cenário é bem simples: poucos móveis se deslocam mesmo em cena aberta, com a participação dos atores Esther Dias e Luiz Carlos Gomes, que fazem o papel de “contra-regras”, caracterizados como personagens e integrados às cenas. O palco também divide espaço com os músicos e instrumentos. Os detalhes do cenário ficam por conta da iluminação de Aurélio de Simoni.Os figurinos de Rodrigo Cohen são um pouco mais detalhados e identificam bem os caricatos personagens da obra de um dos autores mais importantes da literatura brasileira. A viúva velha e fofoqueira, encenada por Suely Franco e a sinhazinha assanhada, por Júlia Rabello, junto com o Criado Tenório, por Audri Anunciação, arrancam boas gargalhadas do público, que mesmo em uma quinta-feira, lotava a sala e aplaudia em cena aberta.Enquanto o Maestro se descabela por não conseguir compor uma obra a altura de Chopin, o editor Lobato, Marcello Sader, que publica e enriquece com as polcas de Pestana, fica desesperado ao vê-lo buscar uma musa que lhe inspire uma nova arte. Outra viúva, a Maria, Laura Castro, entra em cena para concluir o elenco, e as confusões.